RECEBA AS NOVIDADES DO BLOG EM PRIMEIRA MÃO!

terça-feira, 29 de março de 2011

Motociclista ou motoqueiro? O que você é afinal?

Acho que a discussão em questão é querer descobrir o "sexo dos anjos". Pois, afinal, o que somos? Motociclistas ou motoqueiros?

Já me deparei com adesivos e patchs em coletes bradando até que "Motoqueiro é a piiii* que piiiii*..." (olha a censura!), como se o fato de ter tal denominação, em lugar de motociclista, fosse algo ofensivo. Afinal, motoqueiro é o motoboy, é o que anda em CG ou motos de porte menores, ou, ainda como disse outro, "motociclista é o motoqueiro que sobreviveu", como se aquele fosse uma evolução da espécie.


Prá mim isso só tem um nome: DISCRIMINAÇÃO!

E essa palavra não é bonita, de forma alguma, por mais que tentemos "dourar a pílula".

Andar em moto maior, não utilizar a moto com fins lucrativos ou como ferramenta de trabalho, não faz ninguém melhor ou pior. O motoboy - e aí vai outra discriminação - "cachorro louco" não tem essa denominação por conta do animal acometido de raiva, mas por conta de sua loucura, pura e simplesmente. É simplesmente um louco e mais nada. Não importa se é motoboy, advogado, médico, se está em moto grande ou pequena, pois o que se vê de louco sobre R1, GS, CBR e outras, achando que se encontram em autódromo, não está no mapa! E se são loucos, são simplesmente um louco e mais nada. Nenhum mérito tem, tentando se fazer melhor que o pobre trabalhador que entrega na sua casa o remédio urgente para a a febre do filho ou a pizza quentinha, para seu deleite num fim de dia. Pois este, na sua "loucura", ao menos é útil à alguém. E se nem isso é merito - já que a insanidade anula a utilidade - o que sobra para o louco que não serve a ninguém, mas somente à sua própria doença psicopática?

Porque há mais "cachorros loucos" do que "motociclistas loucos"? Porque se vê mais motoboys envolvidos em acidentes do que outros doidos? Estatística!!! Simples assim! Ora, se há mais motoboys circulando sobre as pequenas do que advogados e médicos em suas grandes motos, o que se poderia esperar?

Evoluir é desvincular-se de preconceitos.


Particularmente, acho que todos somos uma mistura de motociclista com motoqueiro. Quiçá nossa melhor denominação fosse MOTOCICLEIRO. Porém, aí estaria inventando mais uma etiqueta, mais um carimbo.

No final das contas somos todos só osso e carne, e, acima de tudo, alma. E bem lá no final das contas mesmo, ao apagar das luzes, restará só a alma. Esta se assim quiser, ou arranjará uma moto em outro plano de existência para pilotar, ou voltará no corpo de outro moto... moto... Moto-o-que-mesmo?

O importante é nossa alma, apaixonada por motos!




sexta-feira, 11 de março de 2011

Prá quem você anda de moto?

A pergunta pode parecer um pouco esquisita, mas é fato que atualmente se vê muita gente "andando de moto para os outros". E olha que não estou falando de motoboy ou mototáxi!

O que quero dizer, é que tenho visto muito sedizente motociclista que faz site, blog, flog , adesivo, camiseta, banner, bandeira e por aí vai mais para "aparecer" e se "autopromover" do que para levar aos amigos a verdadeira essência do motociclismo. Outros, por sua vez, chegam a criar motoclubes, onde o que menos se faz é efetivamente andar de moto. Está certo que um pouco de mídia é sempre bom, ainda mais para este veículo que em geral é tão mal visto, mas esta autopropaganda deve ter um limite, que se encontra entre o andar e o não andar de moto. Também é certo que reunir pessoas de mesmo gostos é ótimo. Mas, até onde se deve ir?

Discussões apaixonadas, defesas quase religiosas de determinada marca, quando não descambando para agressões verbais ou em casos mais graves até mesmo físicas. São o que chamo de motoqueiros "xiitas". Sim, motoqueiros, pois não merecem a autodenominação de motociclistas, rótulo que se impõem querendo distinguir-se dos outros réles mortais que também andam de moto. Claro, isso é matéria para outra discussão, pois ao meu ver, todos somos indistintamente motoqueiros, motociclistas, bikers, etc. Simplesmente andamos de moto. E era isso. Termos uma moto melhor, maior, mais nova, etc., não nos faz melhores, nem piores.

Graças à Deus...

Certa feita já disse conhecido meu que o que se vê de "motoqueiro de boutique" ou "road warrior" de final de semana , não está no mapa! Vão desde "jáspions" em flamantes macacões de couro (que muitas vezes custam mais do que uma boa moto) até "HOGs" com todos penduricalhos prováveis e improváveis sobre suas grandes custons lustradas e cromadas até o último parafuso.

Poderia ser condenado por este próprio fotoblog, no momento que muito falo de moto e pouco tenho desfrutado do veículo, não por falta de vontade, mas sim por pura falta de tempo e/ou excesso de trabalho e de quebra, ter menos ainda para curtir minha esposa e meu filhotim (esse em tenra idade e precisando do pai e da mãe para tudo). O pouco tempo que me sobra então, é para os dois, que vem agora em primeiro, segundo e terceiro lugar, ficando a moto mais lá para o fim da fila...

De moto mesmo, é o ir e voltar para o trabalho e, muito eventualmente, um bate e volta mais longo aos finais de semana.

Talvez seja um pouco de inveja, de querer andar mais de moto e contar também minhas próprias histórias, escrever sobre a realidade de uma viagem real no lugar de ficar apenas no virtual, postar fotos de lugares onde estive, coisas que vi, o que vivenciei na estrada, esta coisa tão tranquilizante e terapêutica que é estar sobre uma moto. Talvez eu esteja precisando levar o "Sem Nome" um pouco mais para passear dentro do baú, ainda que seja da velha XLX 250R.

Mas nada me tira da cabeça que ainda temos muitos que andam de moto para os outros.

E você?

Prá quem você anda de moto?